quinta-feira, 12 de junho de 2008

Educação Corporativa une Brasil e Portugal

Por Jorge Alexandre Machado

Termina hoje, 12/6, o 1º Encontro de Educação Corporativa Brasil/Europa na Universidade Fernando Pessoa, em Portugal. O evento é promovido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), pela Universidade Fernando Pessoa, pela Associação Brasileira de Educação Corporativa (ABEC), pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido) e pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), com apoio da União Européia.

Iniciado ontem, o evento, de acordo com os organizadores, tem como objetivo "debater a importância da internacionalização empresarial numa ligação estreita à Educação Corporativa como uma ferramenta para a concretização de estratégias e para a qualificação dos Recursos Humanos". O encontro aborda assuntos, tais como: estratégias para a internacionalização; formação e desenvolvimento de competências; recursos humanos; cooperação empresarial; sustentabilidade; comércio externo; e inovação. Quem participa do encontro são: empresários, administradores e gestores, além de profissionais das áreas de recursos humanos, formação, internacionalização de empresas e comercial, tanto brasileiros, quanto portugueses.

Vários casos práticos estão sendo apresentados como os da Petrobrás, Vale do Rio Doce, Datasul, Embraer, Grupo Salvador Caetano, Tam Linhas Aéreas, Ordem dos Engenheiros de Angola, entre outros.

Mas o que é educação corporativa e como surgiu? Segundo Jeanne Meister, Presidente da Corporate Universities Exchange: "É um guarda-chuva estratégico para desenvolvimento e educação de funcionários, clientes e fornecedores, buscando otimizar as estratégias organizacionais". A professora Kira Tarapanoff lembra que "a universidade corporativa surgiu como um desdobramento ou aprofundamento das atividades de treinamento dos Departamentos de Recursos Humanos nas empresas". Ela ainda acrescenta: " no início, o seu foco, nos Estados Unidos, foi o treinamento de seus empregados buscando a melhoria de habilidades porfissionais e a proficiência em sua atividade dentro da corporação (desenvolvimento de expertise)". Ela é, portanto, um instrumento para educação dos empregados, de olho na competitividade da empresa.

A primeira universidade corporativa foi lançada pela GE, em 1945 e ficou conhecida como Instituto General Motors, GMI. O seu primeiro curso foi o de graduação em engenharia e o sucesso da GE é por muitos atribuído ao sucesso de sua universidade corporativa.

Hoje as empresas buscam o modelo de organização focada no aprendizado e na gestão do conhecimento, que é todo o esforço empresarial para capturar a experiência coletiva e a sabedoria de uma organização, que estão na cabeça dos colaboradores, e disseminá-las para todos na empresa. Um instrumento eficaz para essa prática é a universidade corporativa, ao atuar como catalisadora das atividades de aprendizado individual e corporativo, como argumenta a professora.

A gerente de educação corporativa da Natura, Denise Asnis, afirma que o papel da Educação Corporativa em sua empresa "é desenvolver competências para o sucesso do negócio, criar modelos de aprendizagem baseados nas práticas do negócio e no dia-a-dia da empresa, pautar suas ações na gestão de competências empresariais e funcionais, disseminar nossas crenças e valores, aprimorar a cultura organizacional e formar indivíduos mais conscientes da importância de desempenhar bem seus papéis de cidadãos, profissionais e seres humanos".

Em Portugal, a Universidade Fernando Pessoa lançou, no ano passado, um novo conceito no âmbito da formação corporativa naquele país. A proposta é a criação de "universidades" no interior das empresas. O modelo consiste em estabelecer parcerias entre as empresas e a Universidade, para promover programas de formação adaptados à realidade de cada empresa. Em cada instituição é constituído um grupo de trabalho, formado por uma equipe de profissionais - da parte empresarial - e uma equipe de especialistas, na área da formação - da parte da Universidade. Analisadas, em conjunto, as necessidades, são desenvolvidos planos de estudo sob medida, alinhando perfil dos estudantes, objetivos estratégicos da empresa e particularidades do setor em que atua.


UNIVERSIDADE CORPORATIVA DO BANCO DO BRASIL

UNIVERSIDADE CORPORATIVA DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA


SUGESTÃO DE PAUTA: Mônica Delicato (Porto, Portugal)

Nenhum comentário: