domingo, 28 de setembro de 2008

Acidente com vôo 1907 da Gol completa dois anos

Por Jorge Alexandre Machado


Completa dois anos, segunda-feira (29), que um jato executivo pilotado por norte-americanos atingiu um avião da Gol. A bordo do Boeing 737/800 da Gol morreram 154 pessoas e os familiares ainda aguardam explicações sobre as causas do acidente e esperam a punição dos responsáveis.



O vôo 1907 da Gol ia de Manaus para Brasília e foi atingido, próximo à Serra do Cachimbo, ao sul do Estado do Pará, pelo jato Legacy, produzido pela Embraer, que seguia para os Estados Unidos. O Legacy teve apenas um lado da asa avariado e problemas hidáulicos e os sete tripulantes escaparam ilesos.



A presidente da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Vôo 1907, Angelita de Marchi, afirma que órgãos do Poder Público como o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) têm agido com descaso, não só em relação ao acidente, mas com todo o setor aéreo.

“Na hora do calor [do momento] fala-se muito, promete-se muito, mas, efetivamente, pouco é feito. Ainda vemos muito descaso", disse Angelita. Ela também criticou as autoridades do setor aéreo por não atenderem satisfatoriamente à associação. "Temos sempre que correr atrás delas e, muitas vezes, ficamos sabendo de algumas coisas pela mídia”, afirmou à Agência Brasil.



Segundo Angelita o relatório que irá apontar as causas do acidente tem sido protelado seguidamente. O primeiro prazo era de dez meses para conclusão. Hoje, após dois anos, "a informação que temos é que ainda está no exterior para análise, sem data para conclusão”, reclama a presidente da Associação.



Mas, além da justa preocupação dos familiares das vítimas da tragédia do vôo 1907, ainda persistem as dúvidas que surgiram à época sobre a segurança dos vôos e das pistas dos aeroportos, como o de Congonhas, em São Paulo, por exemplo. Sob uma aparente tranquilidade esboçada pelas autoridades, ainda escorregam aviôes na pista, aeronaves quase se chocam por erros de controladores, como foi divulgado recentemente na mídia, cresce o número de pousos e decolagens e a infra-estrutura não acompanha esse aumento da demanda.



Antes que novos familiares chorem outras vítimas e os processos se acumulem, sem solução, em busca de reparar o irreparável, é preciso que as autoridades atuem de uma forma concreta e decisiva para tornar o setor seguro e compatível com o crescimento. Chega de turbulências.

sábado, 6 de setembro de 2008

Zeca Baleiro na Web

Por Jorge Alexandre Machado


A discografia completa de Zeca Baleiro pode ser ouvida na sessão "juke box", do site oficial do compositor. É só clicar na parte superior e escolher o álbum. O site ainda permite baixar gratuitamente o clipe da música "Toca Raul". O novo álbum de Baleiro, "O Coração do Homem Bomba Vl. 1", também está disponível para ouvir no site oficial .

No site, Zeca conta que o seu apelido veio do hábito de ser um “implacável consumidor de doces e balas e todas as espécies de guloseimas”. Os colegas de faculdade não só descobriram um fornecedor de balas gratuitas, como logo apelidaram o futuro artista. Tempos depois o cantor e compositor abria sua loja de balas, tortas e doces, aí não tinha mais jeito o Zeca era mesmo Baleiro.

Zeca Baleiro já vendeu 700 mil Cd, 30 mil DVD e já fez 850 shows para mais de 1 milhão de pessoas.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Abin sob investigação

Ministros, Senadores, Presidente do Senado e até do Supremo Tribunal Federal podem ter sido grampeados pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), conforme publicado na edição da revista Veja desta semana, inclusive reproduzindo diálogo entre o presidente do Supremo e o senador Demóstenes Torres, que teria sido obtido por meio de escutas telefônicas.

Diante da pressão do judiciário e do legislativo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva determinou, no final da tarde de hoje, o afastamento temporário de toda a cúpula da Abin, até o resultado das investigações sobre a participação do órgão de inteligência nas escutas ilegais.

Agora, a Polícia Federal vai investigar se houve a suposta espionagem ilegal. Enquanto isso, Paulo Lacerda e toda a cúpula do órgão ficarão na "escuta" do que for concluído a respeito. Para o presidente do Senado Garibaldi Alves “na hora em que se grampeia o telefone do presidente do STF e se publica o diálogo, e se diz que grampeou parlamentares e o presidente do Senado, isso não pode continuar, é inadmissível”.

Se comprovada a irregularidade, de grampo em grampo os poderes da República têm sido sistematicamente espionados, fato que, segundo Garibaldi, o presidente Lula considerou extremamente grave, pois chega-se a temer até pela instabilidade das instituições.